8/20/2007

viagens #1


São Miguel- Açores

Este Verão descobri os Açores. Ao contrário do que esperava, a primeira imagem não é a do avião.
Quando olho pela primeira vez para S. Miguel já estou em terra firme, é noite e espero pacientemente que o meu saco pachorrento e enrugado surja atrás das rolantes malas dos outros passageiros.
Já na estrada, as primeiras sensações são de familiaridade, tranquilidade e sossego. Todas as seguintes são de deslumbre e uma encantada estranheza.



As lagoas são dos traços mais marcantes da paisagem micaelense.
Na “Vista do Rei” (um miradouro assim baptizado devido à passagem do rei D. Carlos por aquelas paragens) podemos desfrutar de uma perspectiva única da mítica Lagoa das Sete Cidades. A lagoa divide-se em duas: uma azul que é maior e uma menor de um intenso verde, característica que deu origem à conhecida lenda associada à Lagoa das Sete Cidades.
A original beleza desta lagoa está sobretudo ligada ao panorama desfrutado dos miradouros. Quando chegamos às Sete Cidades, a poética beleza da lagoa esfuma-se dando lugar à pitoresca e encantadora vila com as suas casinhas e igreja típicas.



A Lagoa do Fogo, classificada como reserva natural desde 1974, é outra paragem incontornável para quem visita a ilha de São Miguel. Aqui, a paisagem é mais selvagem e virgem. Parece que se conservou no tempo intocada pelo homem.
A subida até ao local da lagoa é cheia de surpresas. A estrada é atravessada por nuvens frias e húmidas que escondem a paisagem numa envolvência branca e macia. Parece que estamos num qualquer país do Norte da Europa.
Um pouco mais à frente, como por magia, o húmido frio dá lugar a um calor também húmido e quase insuportável apesar de raramente a temperatura ultrapassar os 25 graus.
Em São Miguel a humidade do ar ronda os 80 % o que acentua bastante a temperatura e nos faz andar sempre “pseudo-transpirados”.
Já na Lagoa do Fogo, um caminho pedestre improvisado leva-nos até às margens. Nesta descida longa e atribulada, somos presenteados pelos encantos da paisagem que se revelam em novas e magníficas perspectivas a cada metro de descida.



Já lá em baixo o sentimento é de solidão absoluta! Vemos um ou dois turistas aventureiros que logo desaparecem entre a vegetação da encosta ou o lado mais longínquo da margem da lagoa.
O som das várias espécies de aves que têm na lagoa o seu habitat proporciona uma experiência incomparável. Sentimos que estamos num dos últimos locais verdadeiramente iguais ao que eram quando surgiram na terra. Além de ouvir, também conseguimos ver algumas espécies raras de aves que encontram ali um meio adequado para viver.
Apesar do atribulado passeio (talvez o difícil acesso seja o motivo da ausência de “sinais humanos” nesta zona) é gratificante descer dezenas de metros para usufruir de sensações únicas que palavras ou imagens não conseguem descrever.



No caminho de regresso vale a pena passar pela Caldeira Velha, um local de manifestação vulcânica rodeado pela vegetação mais rica e luxuriante que vi na ilha. É mais um cantinho deslumbrante!
Uma piscina natural de água morna e convidativa, alimentada por uma pequena queda de água quente, surge semi-ocultada pela vegetação.
Aqui, já existem bancos e umas simpáticas casinhotas de madeira que devem ser usadas para vestir roupa de banho.
Hoje, é inevitavelmente um sítio associado à personagem “Mariana” da novela da TVI “Ilha dos Amores” que é filmada nos Açores. Os objectivos turísticos da produção parecem estar a ser cumpridos.



O fumarento Vale das Furnas é um dos sítios mais curiosos que já vi. No centro de um extenso verde encontra-se uma pitoresca vila coberta de um ténue fumo quente e húmido.
Este cenário onírico deve-se à actividade vulcânica secundária existente sobretudo nesta parte da ilha.



O Parque Terra Nostra nas Furnas é uma mistura prodigiosa do talento do homem com a natureza. É um riquíssimo jardim botânico que remonta ao ano de 1780 quando o inglês Thomas Hickling decidiu construir no Vale das Furnas a sua residência de Verão. O Parque como conhecemos hoje é obra dos vários proprietários que teve desde então.



Rico em vegetação exótica e árvores centenárias, o parque é atravessado por caminhos românticos e lagos sumptuosos. O cenário é completo por gansos negros que se passeiam graciosamente nas margens dos lagos. São tão mansos que vêm comer à mão, desde que tenhamos uns pedaços de bolo lêvedo para lhes oferecer.
Um lago-piscina de águas termais férreas é o principal atractivo do parque. O lago é alimentado por uma boca de água quase fervente o que torna as águas agradavelmente quentes.
Saio das Furnas com a convicção de que é o sítio ideal para ter uma casinha de férias com um pequeno quintal. De certeza que havia de encontrar um espacinho para alguns luxos: uma cozinha subterrânea natural, uma piscina de água quente e uma fonte de água gasosa para completar o cenário perfeito. E tudo isto faz bem à saúde e é gratuito.



Perante a visão da Lagoa das Furnas viajo no tempo e na realidade até à Era Medieval onde, pouco mais existe do que paisagens idílicas e carregadas de mistério.
No imaginário medieval não existe paisagem mais perfeita que esta lagoa de águas incrivelmente verdes protegidas por um poderoso exército de vegetação selvagem e serena.
A neblina sobre as águas da lagoa e um negro edifício gótico plantado nas suas margens conferem os últimos retoques àquele ambiente sombrio e misterioso.
Esta é uma daquelas paisagens que julgava existirem apenas nos recantos de uma imaginação repleta de fantasia.



À primeira vista o edifício gótico parece um pequeno palácio negro, porventura obra de algum excêntrico endinheirado. Depois, uma cruz minimalista no alto da torre denuncia o carácter religioso da construção. Chegando um pouco mais perto reforça-se a maravilha e a revelação das paredes repletas de preciosos vitrais coloridos representando passos da vida de Nossa Senhora das Vitórias, desde o nascimento à sua Assunção. Este templo representa um mistério por si só, com as suas paredes de um vermelho enegrecido.
Estamos perante a Ermida de Nossa Senhora das Vitórias, mandada erigir pelo micaelense José do Canto depois de uma promessa a Nossa Senhora quando a sua esposa esteve doente. Este pequeno modelo das grandes catedrais góticas foi inaugurado no dia 15 de Agosto de 1886.
Hoje, a ermida encontra-se encerrada e abandonada mas nunca ignorada, continuando a exercer um magnetizante fascínio por quem passa pela lagoa e se confronta com um gótico recorte negro reflectido nas suas águas.



Nas Furnas, o vulcanismo manifesta-se em poças de águas ferventes (géisers, fumarolas e lamas de efeito terapêutico) e nascentes de água quente. Estas características tornam a freguesia das Furnas um importante centro termal (possui vinte e duas fontes termais).
Estas águas fumarentas e de forte cheiro a enxofre são usadas também para complementar o comércio turístico desta zona. Os vendedores dos pequenos quiosques da zona cozem maçarocas de milho colocadas dentro de sacas e mergulhadas nas escaldantes águas dos géisers. Estas maçarocas são mais um ex-líbris turístico desta zona.



À beira da Lagoa das Furnas encontramos a zona das fumarolas onde se confecciona o famoso "Cozido das Furnas".
Os vários montinhos de terra com placas de madeira que assinalam os cozidos fazem lembrar um pequeno "cemitério gastronómico". Os vários ingredientes do cozido colocam-se num recipiente fechado que vai ser enterrado num buraco com a profundidade de um metro. É o suficiente para usar a actividade vulcânica da terra como cozinha natural. Mais uma cortesia da ilha de São Miguel que se traduz num sabor único aliado a uma confecção no mínimo insólita.



É um delito gravíssimo sair do Vale das Furnas sem passar no Chalet da Tia Mercês. Nesta casinha típica, com cadeiras de palhinha no interior e mesas de cimento com árvores no centro no exterior, serve-se o melhor chá que já bebi.
Feito com o maravilhoso chá açoriano e água férrea saída da boca do jardim, este chá é incomparável a qualquer outro, pelo sabor e pela cor de um preto lácteo e profundo.
Acompanhado de uns biscoitos de coco, o ritual do chá é o perfeito final da tarde passada neste vale quente e cheio de sabor.



Entre os muito atractivos da ilha estão as pequenas praias de areia negra. Geralmente sem ondas e com uma temperatura bastante agradável atraem também pela beleza da paisagem.
Destaco a praia da Ribeira Quente com zonas de correntes mornas e areia escaldante e a praia dos Mosteiros com os ilhéus que se erguem do mar e dão um ar pitoresco à praia.



As manadas de vacas malhadas ou castanhas são uma constante no caminho, como pequenos bonecos que enfeitam um imenso mar de veludo verde. São parte integrante da paisagem e não é estranho encontrar algumas na estrada ou a olhar-nos com um ar indiferente à distância de um passo.



A ilha de São Miguel é um “País das Maravilhas” cheio de tesouros e segredos por descobrir. Para quem lá vai, fica a sensação que em cada recanto já visitado ainda se escondem pequenos nichos encantados por explorar.
Depois lá ter estado uma semana fiquei com a estranha certeza de ter visto tanto e tão pouco! Sei também que tudo o que se possa dizer ou escrever é sempre bastante redutor face ao incomparável encanto dos Açores.

1 comentários:

Pitta disse...

Devem ter sido sensações realmente muito intensas. Já reparei que fizeste umas alterações ao blog. Está mais bonito, sem dúvida.
Prezo muito que ainda consigas admirar e gostar tanto dos cantinhos mais sossegados de Portugal.
Isto de uma pessoa que sabe que trocaste o burburinho da Lezíria ribatejana pela azáfama inquietante de Lisboa.
E que mais não somos nós que a permanência nesse limbo constante?
***